quarta-feira, 24 de novembro de 2010

CURB (marketing verde)

CURB...
Bactérias luminescentes
Mas o que diabos é isso?
CURB é uma companhia que faz “propagandas naturais”.
Agora você se pergunta: “Como assim propagandas naturais?”
Fazer propaganda pra eles é uma coisa tão automática que já virou natural, Não! Não é isso.

A proposta da empresa é fazer campanhas publicitárias utilizando recursos naturais, provando que isso pode ser eficiente e sustentável. Eles ajudam seus clientes a ganhar notoriedade enquanto minimizam os impactos sobre a natureza, divulgando marcas, fazendo instalações para eventos, exibições, etc e proporcionando novas experiências.

É algo novo, onde a empresa utiliza experts com conhecimento operacional e técnico.
Além de serem inovadores, minimizarem os impactos sobre a natureza, eles querem ser fonte de inspiração para uma nova forma de enxergar a sustentabilidade e o marketing verde. E tudo isso sem perder a diversão.
Empresas como Nike, Microsoft, Nokia, Kia, entre tantas outras já se renderam a está nova forma de divulgação.

É incrível a criatividades dos caras, qualquer um que utilize grama, limpe calçadas e muros, use bactérias luminescentes, nuvens em formato de setas e tantas outras coisas que você possa imaginar, merece o nosso reconhecimento. Por isso, de uma checada no site: http://www.mindthecurb.com/


'Te amo' escrito em francês através da pintura de um muro
ps: O site é inteiro em inglês, quem não conseguir entender bem, lembremos que o nosso amigo Google traduz sites integralmente para a gente (fica a dica).

Coca-Cola Verde?

            Muitas pessoas não sabem, mas a Coca-Cola possui várias ações voltadas à sustentabilidade. Uma delas foi o lançamento da Plantbottle.
            Plantbottle é a nova embalagem lançada pela Coca-Cola, a primeira garrafa PET feita parcialmente de material de origem vegetal. Sua composição é 30% de etanol da cana-de-açúcar e 70% de petróleo, enquanto as embalagens tradicionais são 100% petróleo. Sem mudança de propriedades químicas, cor, peso ou aparência em relação ao PET convencional, a PlantBottle é 100% reciclável. A produção da Plantbottle ainda reduz em até 25% as emissões de CO². As plantas usadas na embalagem PlantBlottle são especificamente selecionadas com base em critérios de sustentabilidade para garantir que elas não competem com as culturas alimentares.
            Além dos benefícios ambientais, também se tem vantagens econômicas: a expectativa é que, até o final de 2010, a produção inicial das garrafas PlantBottle resulte na redução de uso de mais de cinco mil barris de petróleo.
            Apesar de todos os resultados positivos, a Coca-Cola continua investindo em pesquisas para torná-la 100% vegetal, e eliminar totalmente a matéria-prima retirada do petróleo, que atualmente corresponde a 70% da composição.
            As novas garrafas Plantbottle começaram a ser comercializada em abril em algumas cidades brasileiras.

Qual a sua opinião sobre este assunto? Responda a enquete: https://spreadsheets.google.com/viewform?formkey=dDhIM2lDa0JTdlByM01uZW1RMEpaV2c6MQ

Fontes:
http://www.greenbiz.com/blog/2010/10/12/lessons-learned-creating-cokes-plantbottle

General Electric assume o desafio do Carro Elétrico

A empresa General Electric incluiu em seu planejamento de ações para os próximos 5 anos a aquisição de 25 mil veículos com motor elétrico para sua frota e também para suas frotas de aluguel. Inicialmente, serão adquiridos 12 mil veículos da General Motors, entre eles, o Chevrolet Volt, que tem seu lançamento programado para o final do ano. Além disso, a frota já existente deve ser adaptada com motores elétricos.
                Juntamente com essa mudança, a GE pretende iniciar uma cultura de adoção dos carros elétricos, iniciando pelos seus clientes. Para dar suporte a esses veículos, a empresa lançará também um produto chamado WattStation, que é uma estação compacta em que é possível recarregar as baterias dos carros elétricos com rapidez.
                A GE assume, a partir dessa nova política, um desafio postergado por anos. A produção em massa do carro elétrico foi bastante dificultada devido ao enorme lobby das indústrias petrolíferas e de combustível. A questão agora é: Poderão essas empresas globais (General Electric e General Motors) superar os bloqueios que existem para com a tecnologia do carro elétrico, e implementar essa mudança na cultura automobilística global? Qual é a sua opinião?


WattStation, lançamento da GE

Postado por Felipe Bulek

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Perfil da Reciclagem no Brasil


Um dos principais problemas gerados pelo padrão de consumo existente hoje é o lixo gerado tanto na fabricação dos bens como nas embalagens para o seu transporte e descarte do próprio. Uma medida que hoje vem solucionar parte desse problema é a reciclagem, que quando feita diminuiu o gasto de energia para a produção e o uso de matérias-primas e água no processo produtivo a partir dos reciclados, sendo viável economicamente na maioria dos casos, ajudando o meio ambiente e também famílias inteiras que sobrevivem da reciclagem desses materiais.

Vidro 
Com um quilo de vidro se faz outro quilo de vidro, com perda zero e sem poluição para o meio ambiente, além disso, a reciclagem permite poupar matérias primas naturais, como areia, barrilha e calcário. A reciclagem desse material não é maior devido ao seu peso, o que encarece o custo do transporte da sucata.
46% das embalagens de vidro são recicladas no Brasil somando 390 mil ton/ano. Desse total, 40% são oriundos da indústria de envaze; 40% do mercado em geral; 10% de bares e restaurantes, e 10% do refugo da indústria. Na Suíça esse índice chega a 92%.

Papel e Papelão 
As caixas feitas em papel ondulado são facilmente recicláveis, consumidas principalmente pelas indústrias de embalagens, que foram responsáveis por 64,5% dos recicláveis. A contaminação com cera, óleo, plástico e outros materiais prejudicam a reciclagem destes materiais. 
33% do papel que circulou no País em 2004 retornou à produção através da reciclagem. Esse índice corresponde à aproximadamente 2 milhões de toneladas. A maior parte do papel destinado à reciclagem, cerca de 86%, é gerado por atividades comerciais e industriais.


Embalagens Longa Vida 
Cada tonelada de embalagem Longa Vida reciclada gera, aproximadamente, 680 quilos de papel kraft. A partir da reciclagem dessas embalagens é possível obter fibras para confecção de caixas de papelão e plástico/alumínio que podem ser utilizados para fabricação de peças plásticas como vassouras, canetas e até placas e telhas. É importante que as embalagens estejam livres de resíduos orgânicos como restos de comidas, pois isso evita odores desagradáveis ao material armazenado.  
25,5% foi a taxa de reciclagem de Embalagens Longa Vida no Brasil em 2007 totalizando cerca de 48.500 mil toneladas. Na Europa, a reciclagem deste material ficou em 30% enquanto a taxa média mundial foi de 16%. No Brasil, é previsto um aumento da reciclagem desse material devido à expansão das iniciativas de coleta seletiva de municípios, cooperativas e comunidade, além do desenvolvimento de novos processos tecnológicos.


Aço
As latas devem estar livres das impurezas contidas no lixo, principalmente terra e outros materiais metálicos. O estanho em concentração elevada pode dificultar a reciclagem fazendo-se necessária a retirada deste por processos metalúrgicos que encarecem o processo. 
49% das latas de aço consumidas no Brasil em 2007. Se considerarmos os índices de reciclagem de carros velhos, eletrodomésticos, e todos os segmentos do aço e somarmos aos índices das embalagens deste material, o Brasil recicla cerca de 70% de todo o aço produzido anualmente.


Alumínio 
O alumínio é reciclável sem perder as suas características, por isso latas e outros tipos de sucata, podem ser reutilizadas como outros produtos de alumínio, com características técnicas necessárias para atender às diversas aplicações. A contaminação com matéria orgânica, a mistura com outros materiais, areia ou até mesmo excesso de umidade interferem na reciclagem do alumínio, dificultando sua recuperação para usos mais nobres.
O material é recolhido e armazenado por uma rede de aproximadamente 130 mil sucateiros, responsáveis por 50% do suprimento de sucata de alumínio à indústria, além . Em 2005, o Brasil reciclou aproximadamente 9,4 bilhões de latas de alumínio, que representa 127,6 mil toneladas, tendo em 2007 um índice de reciclagem de 96,5%, superando países como Japão(90,9%) e EUA(51,6%).

Plásticos 
16,5% dos plásticos rígidos e filme são reciclados em média no Brasil, o que equivale a cerca de 200 mil toneladas por ano. O Brasil ocupa o 4º lugar na reciclagem mecânica do plástico, ficando atrás, apenas da Alemanha, Áustria e EUA.
A contaminação do material com a matéria orgânica, areia ou óleo e a mistura de plásticos que não são quimicamente compatíveis prejudicam o processo de reciclagem. Sendo assim, os vários tipos precisam ser identificados e separados, através dos símbolos padronizados que identificam cada material.

PET 
O PET reciclado é utilizado principalmente para a produção de fibras de poliéster, extrusão de chapas e filmes para termoformagem. Vários outros setores, entretanto, utilizam as embalagens de PET recicladas como matéria-prima: resinas para tintas, vernizes, adesivos e resina poliéster, tubos e vários outros.
O índice de reciclagem brasileiro do PET é de 51,3 %, o maior do mundo entre os países onde não há coleta seletiva. Em 2006, o volume reciclado foi de 194 mil toneladas de embalagens.
O consumidor ainda não está totalmente informado sobre a possibilidade de reciclagem e o valor econômico da garrafa PET, com isso, as embalagens acabam descartadas no lixo comum. Por outro lado, a falta de sistemas eficientes de coleta seletiva impedem a recuperação das garrafas, que acabam perdidas em aterros sanitários e lixões.

Fonte dos dados: Associação Brasileira de Embalagens (http://www.abre.org.br)




quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Caminhada Verde!!


Ponto de encontro: Em frente ao Pavilhão de Exposições no Parque Barigui

          Neste Domingo, às 9 horas da manhã, acontecerá a Caminhada Verde, que tem como objetivo a aproximação das pessoas com o meio ambiente e também de proporcionar o bem estar e saúde com exercícios físicos. 
  No evento, será feita pelos organizadores - alunos da PUCPR - arrecadação de roupas, que serão doadas para a Pastoral da PUCPR - campus Curitiba - e serão destinadas a instituições carentes já cadastradas pela Universidade.


Sigam também o twitter do evento -> @caminhadaverde


Divulgue para sua rede de contatos e PARTICIPE! 
Fonte: http://admdai.blogspot.com/

sábado, 30 de outubro de 2010

Tudo que vai... Volta!

"Toda ação provoca uma reação de igual intensidade, mesma direção e em sentido contrário". Terceira Lei de Newton

Já imaginou se tudo que hoje ocorre com a natureza possa ser sua “reação” contra tudo o que lançamos a ela?
Se todas as vezes que lançamos lixos nos rios, derramamos petróleo nos oceanos, enterramos objetos na terra e/ou lançamos gases para a atmosfera, poderiam as tsunamis, enchentes, redemoinhos entre outros serem apenas a “volta” de tudo que “enviamos”?

As enchentes presenciadas recentemente no Paquistão, que resultaram na morte de mais de 1600 pessoas, e que afetaram mais de 20 milhões, podem ser um exemplo de resposta direta da natureza às ações humanas. Ao destruir a vegetação ciliar, o homem deixa o rio sujeito a assoreamento e a alagamentos mais frequentes. Além do mais, todo rio está sujeito a períodos de cheias. A sazonalidade de cheias dos rios somada ao assoreamento, à ocupação irregular da população e à má sorte - ou outra resposta natural - de chuvas excessivas só deveria trazer tragédias.

É claro que nem tudo que ocorre com a natureza é consequência das ações humanas, porém é fácil colocar a culpa em terceiros quando podemos sair da nossa zona de conforto e fazer a diferença. Cabe-nos ter a consciência e a atitude perante à importância das ações individuais para o resultado coletivo. Ou a Terceira Lei de Newton será cada vez mais e mais presente no nosso cotidiano.

video 

Fonte: WWF